top of page

Meus Conteúdos

Problema na tireóide:seu problema pode ser este!


Falta de energia, sensibilidade ao frio e mãos e/ou pés sempre frios, e por falar em mãos minhas unhas estão cada vez mais fracas e o cabelos caem muito e perderam aquele volume... Libido nem sei mais o que é...


Você se identifica com alguns ou todos esses sintomas?


Então pode ser que sua tireoide esteja pedindo socorro.


Os hormônios produzidos pela tireóide são essenciais para praticamente todos os sistemas e órgãos do corpo e interferem no metabolismo da água, proteínas, carboidratos, lipídeos e minerais.


A redução da função da tireoide pode diminuir seu metabolismo em mais de 40%!


Normalmente, as taxas dos hormônios da tireoide são avaliadas nos exames de sangue de rotina.

MAS há um grande problema, os valores de referencias além de terem uma margem muito grande de variação, seus valores são obtidos da população media e o que não quer dizer que essa população esteja saudável, mas sim apenas que não tem diagnostico de doença :0


Por isso deve ser analisado os valores laboratoriais ideias para sua glândula tireoide funcione da melhor maneira e assim também não deixar a doença se instalar.


Vamos ao exemplo: Claudia apresenta queixas como alteração de humor, sente muito frio, não aguenta mais ver seus cabelos caído pela casa, as vezes bate um desespero. As unhas estão cada vez mais fracas, libido zero... Refere que esta cada dia mais cansada e usa café e chimarrão para se manter ligada.


Seus exames deram os seguintes resultados: T4 livre igual a 6mcg/dL e TSH 3 mcg/dL, sim dentro dos valores de referência, MAS perceba que é bem no limite, associado a sinais e sintomas relacionados a hipofunção da glândula.


Para você entender melhor, o Hormônio Estimulante da Tireóide (TSH) é fabricado pelas células da região anterior da hipófise, e cuja produção é ativada sempre que estas células percebem uma diminuição do T3 e/ou T4.


O T4 é um intermediário do hormônio ativo da tireoide, o T3 livre. Para você ter noção menos de 1% do T3 total encontra-se nessa sua forma livre para poder exercer sua ação.


Assim, um resultado de TSH acima dos limites estabelecidos pelo exame, que costumam girar em torno de 0,3 a 5,1, significariam que há pouco T3 e/ou T4 sendo detectado por aquelas células da hipófise (portanto hipotireoidismo), resultando numa produção maior do TSH.


Só que o acontece é que com valores acima de 2mcg/dL as pessoas já começam a apresentam sintomas da baixa função dessa glândula.


É comum na prática clínica, casos como da Claudia, pessoas, em especial mulheres, com valores dentro das referencias apresentando graus intermediários de cansaço, unhas fracas, queda de cabelo, depressão, dificuldade em perder peso, raciocínio lento, redução da libido, elevação do colesterol e triglicérides, enfim, sintomas de possível hipotireoidismo.


Aliar a clínica com exames e crucial, conforme o caso é preciso direcionar o paciente a acompanhamento médico.


Outro fator a ser considerado é quando o TSH está baixo e a pessoa apresenta sinais de hipotireoidismo, nesse caso deve ser investigado o funcionamento das células da região anterior da glândula hipófise, responsável por produzir TSH.


Nesse caso, outros hormônios produzidos pela região anterior da hipófise também estarão diminuídos, como por exemplo, os hormônios que estimulam a produção de hormônios sexuais, o hormônio luteinizante (LH) e folículo estimulante (FSH). E por consequência essa disfunção vai afetar, também, a produção de hormônios sexuais como progesterona, estrógeno e testosterona.


Então a solução é tomar hormônio e pronto?

Claro que não, já que até mesmo tomando o hormônio você pode não ter o hormônio ativo.


Mas como assim? É que o tratamento tradicional da tireoide é usado o T4 que só terá ação quando for convertido em T3, o hormônio ativo da tireoide.


O pulo do gato é que para converter o T4 em T3 você precisa ter alguns nutrientes como iodo, selênio, ferro e zinco, além de vitamina A, B2 e B3.... Além disso inflamação, metais tóxicos, jejuns prolongados e redução do aporte de oxigênio (comum na anemia) pode prejudicar essa conversão.


O iodo possui papel central na tireoide, já que que compõe o próprio hormônio, com 3 átomos ligados a sua molécula, por isso T3. Na deficiência de iodo, o hormônio não pode ser produzido. Mas atenção, seu excesso também pode ser prejudicial pois aumenta a produção de radicais livres e a prevalência de anticorpos contra a glândula. Portanto, o equilíbrio é a chave de uma boa saúde tireoidiana.

Muitas pessoas ainda acreditam que o sal é a principal fonte de iodo na dieta (ele é adicionado no sal desde 1974), o que não é verdade, pois somente 10% do iodo no sal é bem aproveitado pelo organismo. O que pode explicar a baixa disponibilidade de iodo no sal é que o iodo, quando combinado com grandes quantidades de cloro (e o sal possui 30 mil vezes mais cloro que iodo) não é bem absorvido intestino, porque os minerais competem entre si pela absorção.


As algas marinhas são a melhor fonte de iodo por conter 4 tipos de iodetos com maior biodisponibilidade e menor toxicidade. Outros alimentos ricos em iodo são: frutos do mar, sal não refinado, caldo de peixe caseiro, abacaxi, alcachofra, aspargos e uma série de verduras de coloração mais escura.


Mas para que o iodo possa ser utilizado pelo organismo, é necessário requer níveis adequados de vitamina A, que são obtidos através da ingestão de manteiga e gorduras de origem animal em moderação (de animais criados soltos, e não em cativeiro ou à base de ração). A deficiência de vitamina A não é tão comum, mas pode ocorre.

Outro nutriente com destaque na ação na tireoide é SELÊNIO. E o alimento mais rico em selênio é a CASTANHA DO PARA. Contudo conforme o solo em que foi plantada, as vezes uma única castanha pode suprir toda sua necessidade, outras vezes talvez você vai precisar de mais de 10 a 20 castanhas.


MAS NEM DEMAIS NEM DE MENOS, tanto a falta quanto seu excesso são prejudiciais.


Outro nutriente importante é o zinco, que junto com selênio é cofator para reações de deiodinação, que tornam o T4 em T3, o hormônio da tireoide ativo, nos tecidos periféricos.


Mas não significa que você vai sair tomando esses nutrientes. Excesso de iodo, zinco, selênio são tóxicos para o organismo, nem muito nem pouco.


O equilíbrio é a chave e isso vale para tudo ; )

Nem 8 nem 80.


Além desses nutrientes para sua tireoide funcionar seu intestino precisa absorver os nutrientes, que serão recebidos no fígado para ser metabolizados, conforme necessário, e distribuído para o corpo.


Também é imprescindível o consumo adequado de boas gorduras boas, e de bons carboidratos, assim, você mantem a inflamação e a insulina do seu sangue estáveis.


Desajustes em qualquer um deles repercutira negativamente na sua saúde e na sua tireoide.


Atenção as alergias e sensibilidade alimentares pois elas aumentam a inflamação. O glúten tem relação grande com distúrbios dessa glândula. Alguns alimentos como soja, couve, brócolis pode reduzir a produção do hormônio, sua restrição deve ser avaliada individualmente.


E sobretudo, além de nutrir o corpo, precisamos nutrir nossa mente, nosso espírito e nossa emoções.


Somos um todo integrado e interagindo com o ambiente.


Quanto mais atento ao momento presente, mais você percebe os sinais enviados pelo seu corpo e assim mais você tem a habilidade de escolher e ofertar ao seu corpo tudo que ele precisa.


Para saber o que funciona ou não você precisa experimentar!


A individualidade é soberana, esqueça resposta prontas.


Você é único.


Beijo da nutri <3

Aline

Posts recentes

Ver tudo

Aftas

Comments


Destaque
Siga-me
Arquivos
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Cinza ícone do YouTube
bottom of page